quarta-feira, 11 de julho de 2012

Para ler... Uma resposta bem dada e à medida de quem escreve!


Teolinda Gersão – uma das nossas melhores escritoras por quem tenho admiração e amizade – escreveu "Redacção - Declaração de Amor à Língua Portuguesa". A leitura deste texto desagradou-me de tal modo que cheguei a julgar tratar-se de uma brincadeira da autora sob a forma de uma crítica sarcástica ao ensino do português.

Mas como nem todas as pessoas a entendem assim, pus-me algumas perguntas: A quem se dirige esta brincadeira? Aos autores do programa de português na parte que diz respeito à gramática? Aos manuais de que se servem os professores, que podem conter erros por não haver a certificação de correção e qualidade, decidida há uns anos e não implementada? E já que o artigo assenta nas “ideias” de um estudante, será que o que está em causa é um professor que não conhece o que ensina?
Uma escritora do nível da Teolinda Gersão não pode aceitar como bons todos os disparates que lhe são transmitidos pelo seu neto estudante. Existem materiais de fácil acesso para refutar o que considera asneira. Já conhece o Programa de Português do Ensino Básico? Já viu os materiais que podem ser consultados pelos professores (ou pelos pais/avós) para perceber como e porquê se analisa uma língua, como se adequa esse ensino ao nível de escolaridade, o que deve ser transmitido em cada ano e o que serve apenas para informação do professor? Já pensou em como uma explicação da construção de um texto ou frase que o aluno produz ajuda a desenvolver o seu raciocínio e aumenta o seu domínio da oralidade e da escrita?
Os alunos não são tolos e têm curiosidade pelo ensino de qualquer disciplina se forem estimulados a olhar crítica e criativamente o que está por detrás das suas produções linguísticas e artísticas e dos mistérios da natureza. É nisto que consiste a educação. Mas o que verdadeiramente os desestimula é que alguém, que tem responsabilidade na escrita de uma língua, diga que “vai deitar a gramática na retrete “ (as palavras são da escritora mas “as ideias são deles”). Considera a Teolinda que não vale a pena estudar gramática? E aprender a fazer operações de matemática ou conhecer a física nas suas diversas forças e energias já vale a pena? Preparar materiais para o ensino do português tem sido o trabalho criterioso e dedicado de equipas, tal como tem sido feito para a matemática e para as ciências. Todas estas áreas têm tido a sua atualização didática e implicam uma adaptação a novos conhecimentos por parte dos agentes de ensino. E se um professor não sabe como explicar a construção das frases, do texto, da entoação e sons com que se constrói esta maravilha que é uma língua, é absurdo assacar ao ensino da língua materna erros, dislates e desinteresse que sente um estudante que julga que aprender português é só ter lido alguns livros (quando o faz) e não dar erros de ortografia. Deste modo, ele nem sequer vai tomar consciência da razão por que um texto literário é melhor do que outro, ou por que uma instrução ou uma lei pode ser ou não ser ambígua. Uma generalização da inutilidade e dos erros do ensino do português, apresentada a sério ou a brincar, apenas mostra uma completa falta de respeito pelos agentes desse ensino e por todos os que têm trabalhado nesta área. E de certeza que não se trata de uma “declaração de amor”, visto que o amor procura e proclama os aspetos bons do objeto amado.
Não desejo discutir aqui os exemplos dados pela autora do artigo porque eles têm tanto de errado como de ridículo. Aconselho somente uma consulta do Programa de Português do Ensino Básico e, já que tem uma completa falta de conhecimentos de gramática, poderia também consultar o Dicionário Terminológico destinado aos professores (e não aos alunos). Dessa maneira ajudaria mais um estudante do que tornando pública uma atitude que não é, certamente, recomendável num educador.

Maria Helena Mira Mateus
Professora Catedrática Jubilada da Faculdade de Letras de Lisboa
28 de junho de 2012

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Notas soltas, em final de ano letivo:



Não gosto de pessoas tacanhas provincianas, detentoras dos pequenos poderes, são elas que nos deitam abaixo, porque é a única forma de se afirmarem e de se sentirem poderosas; destroem todo um trabalho de anos com a deselegância que a tacanhez lhes confere, convencidas de que assim é que é, à sua maneira, com o pouco, mas devastador, poder que detêm, só porque os que não estão com elas estarão, forçosamente, contra elas; não gosto de gente má, que fala nas costas, que denigre a imagem de quem dá o seu melhor, de quem serve os outros, de quem trabalha, de facto; não gosto de gente falsa que se apropria do que é de todos, porque é simplesmente pobre de espírito sem direito ao reino dos Céus, porque inferniza enquanto está na Terra
Para terminar, fiquei feliz com os resultados da maioria dos meus alunos, nesta primeira vez que fizeram um exame. Os que sempre trabalharam e estudaram viram o seu esforço recompensado, os que nunca entenderam que temos de trabalhar viram confirmado o seu insucesso, parte dele é meu também. Mas, felizmente, há uma Carlota e uma Cláudia que mostraram a todos como se consegue superar as dificuldades com muito esforço e para elas vai um enorme beijinho de parabéns: ficaram no patamar do Bom ao lado daqueles que sempre as olharam de esguelha!  
E assim termina mais um ano letivo, cheio de deceções, de desilusões, de maldades, de intrigas e maledicências, mas também, felizmente, recheado de sucessos e experiências novas e gratificantes que deixaram, definitivamente, marcas profundas nas nossas vidas.


Gabriel Garcia Marquez

«(...) Meu Deus, se eu tivesse um pouco mais de vida, não deixaria passar um só dia sem dizer às pessoas de quem gosto que gosto delas. (...)»